Tuesday, August 11, 2015

BENFIIIIIIIIIIIIIIIIICA!...

"Quando vou ao Lux, vou com o Carlucci. É o meu melhor amigo, o único. Somos ambos de extremos: ou bebemos muito ou não bebemos nada, ou saímos todas as noites ou ninguém nos vê durante três meses. O Lux é um lugar privilegiado onde nunca se sabe quem se vai encontrar, o que pode acontecer. Também pode não acontecer nada. Então ficamos os dois sossegados sentados num sofá confortável a ouvir a música e a ver gente que dança à nossa volta. Não deixa de ser misterioso tantas pessoas juntas tomadas pela divindade que conhece como ninguém a música e o álcool e o sexo. Sim, o Lux também é um lugar sagrado onde habita um deus grego e as suas musas encantadas. Ninguém ali quer saber do tempo, o horrível fardo que diariamente quebra os nossos ossos. Ninguém ali está interessado em saber o quer que seja do passado ou do futuro. O presente é mais do que suficiente. Cada um é um mundo que não pretende ser desvendado, esclarecido, explicado. É outra a lucidez pela qual somos tomados.

O Carlucci diz, se continuamos a beber a este ritmo shots de vodca com coca-cola o melhor será voltarmos de táxi. A sensatez do meu amigo sempre me espanta. Tem os olhos verdes, penetrantes e é livre onde quer que esteja. Para mais conduz como ninguém e é cinto preto de judo o que me deixa sempre mais à vontade quando voamos por ruas escuras bem frequentadas.

Só mais este. Mas nunca é o último. Olha a Maria. Olha ali outra. Dançam da mesma maneira, já notaste? Aquela é gira como o caraças. Vamos ter com elas? Não vamos nada.

Por vezes acontecem coisas engraçadas. A uma bela rapariga cai-lhe de repente a saia de seda vermelha. Três mulheres pousam dentro de uma gigantesca gaiola de ferro forjado enquanto flashes rebentam na sala. Na parede repetem-se spots projectados onde uma mulher beija uma mulher que beija um homem e outro mais hesitante. O normal fica lá fora. A Raquel continua linda a trazer-nos mais shots e Coca-colas e a Maria queixa-se, os meus sapatos não condizem com o top e o top não condiz com os sapatos.

Vamos dançar? Vamos. Ninguém dança com ninguém. Todos estão concentrados em si e na música que por eles passa, emocionante. O movimento dos corpos não segue qualquer regra. Vive-se uma liberdade proibida, escandalosa para os que ficaram em casa fixados a um aparelho onde se espelham todas as misérias ou já se entregaram ao sono que tudo apaga. Ali é preciso coragem e muita disciplina. Todos os excessos são controlados por gente bem-educada.

A Maria não pára de mandar mensagens electrónicas. É para alguém que lhe dá pica, esclarece o Carlucci em linguagem modernizada. O Cardoso faz-me falta, não o vejo em nenhum lugar faz anos. Lembro-me dos tempos em que Lisboa se arrumava num espaço frágil de cem metros quadrados. Mas ali não há lugar para nostalgias e a divindade enfurece-se e manda vir mais shots que entontecem a razão de todas as coisas, porque as coisas não têm razão são e é tudo.

Olha o Afonso. Dá cá um abraço. E logo o Xico comenta, bom mas bom. Porque o Lux é um lugar de encontros e desencontros. Ainda estás vivo? Sabes do Miguel? Não sei nada, estou preocupado. Parece que vai fazer mais um filme e se retirou do mundo para o escrever. O Lux é uma Ágora, o ponto de encontro, onde se trocam informações que não aparecem nos telejornais, em parte alguma. E o desencontro é estar com alguém que se desvanece num momento e não é possível recuperar se não permanecendo estoicamente no mesmo lugar. Se tentarmos procurar, ficamos perdidos.

A Maria não pára de dançar. Os braços no ar multiplicam-se. Alguém beija alguém subitamente. Um novo amor pode começar. Uma paixão termina por ciúmes violentos. Quanto a mim apaixono-me por um grupo de raparigas.

O Lux é um farol na noite, uma luz que demora a brilhar até à madrugada.
E quando por fim saímos despedimo-nos do Alfredo e do Miguel e dizemos, obrigado."

No comments:

Post a Comment